Trabalho escravo e seus desdobramentos

Trabalho escravo e seus desdobramentos

O que é trabalho escravo contemporâneo e como podemos identificá-lo?

Pode-se chamar de trabalho escravo moderno o trabalho análogo ao de escravo ou trabalho escravo contemporâneo, sendo que todos estes se referem à mesma coisa. O trabalhador está em situação de cerceamento de liberdade, ou em condições degradantes de trabalho, ou em jornada exaustiva, ou em situação de servidão por dívida ou tudo isso junto. É isso que diz o artigo 149 do Código Penal.

O que define um trabalhador posto em situação de escravo:

Trabalho forçado: quando há o cerceamento do direito de se desligar do patrão

Servidão por dívida: que é forçar alguém a adquirir uma dívida de forma fraudulenta e prender a pessoa por isso

Condições degradantes de trabalho: se trata de um trabalho que nega a dignidade humana colocando em risco a saúde, a segurança e a vida da pessoa

Jornada exaustiva: significa levar o trabalhador ao completo esgotamento dada a intensidade do trabalho, da exploração, que também coloca em risco sua saúde e vida.

Qual a diferença entre o trabalho escravo contemporâneo e a escravização de indígenas e africanos que ocorreu no Brasil? Você ainda pode estar se perguntando: mas a escravidão não foi abolida em de 13 de maio de 1888?

Sim, mas a escravização de negros e indígenas do período colonial e imperial brasileiro se difere da que acontece hoje por meio de uma característica: o entendimento jurídico por parte do Estado de que uma pessoa é proprietária de outra.

Então, por que ainda existe trabalho escravo no Brasil?

Segundo o frei Xavier Plassat, coordenador da campanha nacional de combate ao trabalho escravo da Comissão Pastoral da Terra (CPT), o trabalho análogo ao de escravo só acontece porque é fonte de lucro para alguns setores. “O custo de produção com mão de obra escrava é menor do que o custo para um fabricante que respeita as normas. Não é por maldade essencialmente, é com o objetivo de lucro extra”, explica.

Contudo, quem é pego submetendo um trabalhador a essa situação pode sofrer reclusão de dois a oito anos, e ter que pagar multa. A pena pode ser agravada se o escravizado for criança ou a motivação envolver preconceitos étnicos.

E qual o perfil dos escravizados no País hoje?

O perfil dos trabalhadores em situação de escravidão no Brasil pode se dar por meio de dados referentes às pessoas já resgatadas. De acordo com Observatório de Erradicação do Trabalho Escravo e do Tráfico de Pessoas, entre 2003 e 2018, 42% dos resgatados se disseram pardos, mulatos, caboclos, cafuzos ou mamelucos, 23% se autodeclararam brancos, 18% amarelos (de origem japonesa, chinesa, coreana etc) e 12% pretos.

Mas é possível erradicar o trabalho escravo no Brasil? O que eu posso fazer para ajudar?

Se o trabalho escravo moderno existe apesar das leis que o proíbem e da fiscalização por dar lucro, para erradicá-lo é preciso fazer com que ele não seja lucrativo. Assim, muitas vezes o próprio trabalho escravo se reproduz pelo próprio empregado através de horas exaustivas de serviço para que possa ter um rendimento mais alto ao fim do mês.

Comunicação Cocatrel

Comunicação Cocatrel

Deixe uma resposta