Outubro de 2021: Mesmo com a chegada das chuvas, mercado segue firme e apresenta melhor média de preços do ano

Outubro de 2021: Mesmo com a chegada das chuvas, mercado segue firme e apresenta melhor média de preços do ano

Os preços do café em outubro de 2021 superaram os de setembro e fecharam com a melhor média do ano, cotados a R$ 1.227. A média de setembro foi de R$ 1.088 a saca. As chuvas chegaram, a florada abriu e o produtor iniciou as adubações. Os preços firmes e em alta mostram a percepção do mercado em dois sentidos: 1) as chuvas amenizaram a situação, mas não recuperam as perdas previstas para 2022 em função da seca de 2021; e 2) existe uma real preocupação de que pode faltar café no Brasil em 2022 e, assim, o País não conseguiria atender a demanda para mercado interno e exportações.

Pode-se dividir o mês em duas partes. A primeira semana, que trabalhou com preços médios para o padrão COC 3 em R$ 1.177, 50 – abaixo de R$ 1.200; e as três semanas posteriores, que apresentaram, pela primeira vez no ano, preços médios acima de R$ 1.200 a saca. Foram 15 dias seguidos com preços acima desse patamar. A segunda semana com preços médios de R$ 1.244, a terceira com R$ 1.241 e a quarta com R$ 1.245, mostrando estabilidade.

Os maiores preços na cooperativa ocorreram nos dias 14 e 26 de outubro de 2021, quando o padrão COC 3 foi negociado a R$ 1.265; o menor valor foi no dia 5, com preços em R$ 1.150. Assim, o intervalo de negociação foi de R$ 115 a saca. O dólar apresentou alta da primeira para a segunda semana, de R$ 5,47 para R$ 5,52, e se estabilizou em R$ 5,59, preço médio para a terceira a quarta semanas. Os preços em Nova Iorque, vencimento dezembro, foram 198,15 c/lb, 207,70 c/lb, 202,90 c/lb e 203,15 c/lb para as quatro semanas do mês.

Basicamente, as notícias que guiaram o mercado foram: a volta das chuvas no Brasil e a florada; problemas com a oferta do País para atender ao mercado em 2022 em função dos baixos estoques de passagem e perspectiva de “quebra” para a próxima safra, que é de ciclo alto; continuação dos problemas para embarque de café, com falta de contêineres e alta nos preços de frete marítimo internacional; e problemas com a Colômbia a respeito do não cumprimento de contratos de vendas futuras de café.

Lucio Caldeira

Lucio Caldeira

Lúcio Caldeira é professor, palestrante, consultor e escritor, atuando nas áreas de Marketing e Gestão Estratégica. É autor dos livros: A Guerra do Café; Revoluções no Café; e Batalhas do Futebol. Atua como comentarista do programa de TV - Café com TV, com os blocos – “Palavra do Especialista” e “Café e Cultura” da TV Alterosa/SBT, e é colunista da Revista Cocatrel, com as colunas: Opinião; “E por falar em Café” e “Mercado do Café”. Professor no Unis, é formado em Administração, especialista em Finanças, Mestre em Estratégia e Doutor em Marketing.

Deixe uma resposta